• Barros e Oliveira

OAB sugere medidas para combater violência doméstica durante a quarentena

A OAB encaminhou na segunda-feira, 13, ofícios ao CNJ e ao ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, com sugestões de medidas nacionais e de recomendações aos Estados de proteção das mulheres durante o isolamento social em função da pandemia.



Fonte: Portal Migalhas | No texto, a Ordem citou o aumento das estatísticas verificadas no Brasil desde o início da quarentena e alertou para o fato de que muitas mulheres estão confinadas com seus agressores.

“Expostas a violência que vem sendo agravada em função do isolamento social, sendo que, nesse contexto, torna-se ainda mais difícil que amigos e familiares observarem lesões corporais, alteração comportamental ou simplesmente o sumiço de mulheres.”

Como sugestões ao CNJ, a OAB apresentou quatro propostas:

  • Prorrogação automática das medidas protetivas de urgência existentes;

  • Deferimento de medidas protetivas de urgência com prazo indeterminado;

  • Execução de campanhas com cartazes informativos em farmácias, bancos, supermercados e redes sociais;

  • Monitoramento dos casos, com a divulgação periódica dos dados de ocorrências e medidas concedidas.

Ao ministério, a Ordem sugeriu três propostas concretas:

  • Realização de campanha nacional com alerta sobre o atual aumento da violência doméstica e familiar no Brasil e divulgação de canais para realizar denúncia e procurar o auxílio;

  • Recomendação para que os Estados implementem e/ou fortaleçam campanhas desta natureza com cartazes informativos em farmácias, bancos, supermercados e redes sociais;

  • Recomendação às Polícias Civis para a Implantação das delegacias digitais, além de outras formas de facilitação dos mecanismos de denúncia pelos órgãos institucionais, a exemplo de WhatsApp e aplicativos, bem como a implantação de delegacias móveis para registro de ocorrências e pedidos de medidas protetivas.

Sobre o mesmo tema dos ofícios, a Comissão Nacional da Mulher Advogada – que também assina os documentos enviados ao CNJ e ao Ministério – publicou, na sexta-feira, 10, nota alertando para o cenário de crescente de violência doméstica e familiar que vitima as mulheres no confinamento.

Confira a íntegra do ofício enviado ao CNJ, ao Ministério e da nota publicada pela Comissão.

0 visualização

 

Rua Sete de Setembro 88, Gr. 511 - Centro - Rio de Janeiro CEP 20050-002 Tel.(21) 2507-2169 contato@barroseoliveira.com.br © 2013 Barros & Oliveira Advogados Associados. Todos os direitos reservados​​​​​​​